Era um jovem rapaz que tinha passado toda a sua vida naquela cidadezinha de interior, perdida no mapa, esquecida pelos milhares de habitantes das grandes metrópoles e suas vidas agitadas.

Ao término da lida no roçado, gostava de aproveitar os fins de tardes para ouvir músicas e cantarolar composições próprias, num cantinho particular à sombra de um Pinheiro, na praça da cidade.

E num dia desses em que seguia com sua vida sossegada, passou por ele um grande empresário do ramo artístico, vindo da capital, que estava na cidade devido a um imprevisto com seu carro, durante uma viagem de negócios. Intrigado por ter observado durante aquela semana o menino repetir aquela coisa de sempre estar à sombra do Pinheiro, cantarolando sozinho, tomou a decisão de acabar de vez com aquele mistério. Já estava tão estressado por causa do imprevisto com seu carro, que aquilo o fazia sentir mais irritação ainda. Precisava fazer algo!

Aproximou-se e foi logo tomando sua atenção:

– Menino!

Surpreso com a abordagem repentina, o jovem virou-se rapidamente, e procurou se recuperar do susto para atender ao importante homem.

– O que você tá fazendo aí? Tá falando sozinho?

– Não, senhor. – respondeu-lhe educadamente, como os pais sempre lhe orientavam fazer.

– Então, o quê?

– Eu estou fazendo música.

O homem franziu as sobrancelhas, mais intrigado ainda.

– Fazendo música? Mas como assim? Que instrução você tem pra fazer música? Você fez curso?

– Não, senhor. Eu só vou na escola, aprender a ler e escrever. E fazer conta também.

– Mas então como é que você pode fazer música, se nem tocar instrumento você toca? – o homem perguntou grosseiramente.

O menino parou alguns segundos e sentiu a música do seu sonho maior entoar dentro de si.

– Eu toco… No meu coração, sabe?!

O homem ficou surpreso. Desarmou-se. Mudo, parado, diante daquele jovem rapaz, que agora consultava suas anotações trazidas no bolso de sua camisa tão simples, continuando em seguida a cantarolar à vida.

Aquela foi a primeira das muitas vezes em que o menino se viu na necessidade de afirmar enfaticamente o seu sonho e o seu potencial para alcançá-lo. O que o fez colher, no futuro, o prestígio de ser um dos maiores compositores do país, tendo suas composições gravadas pelos nomes mais importantes da música; e por diversas vezes sendo os títulos mais pedidos nas paradas de sucesso.

Do que é que precisamos para realizar os nossos sonhos? Luta, perseverança, acreditarmos neles, concretizá-los primeiro em nosso coração, para um dia estarem diante de nossos olhos e apalpáveis ao toque das mãos.

Dificuldades? Uma estrada inteira para trilhar? Todos nós enfrentamos isso. Não é isso que vai impedir os nossos sonhos de se tornarem reais!

Talvez hoje algum sonho seu, algum sonho meu, esteja nesse momento como os sonhos que aquele menino cultivava sentado à sombra do Pinheiro: seguindo dentro de nós, dia-a-dia, mantendo nossa esperança, mantendo nossos dias coloridos, tocando a sinfonia da certeza de que podemos atingi-los, independente dos pormenores que alguns possam apontar. Eles querem acontecer! São parte de nós! Quem somos, e quem vamos nos tornar!

O menino estava na estrada de seu sonho, dando os primeiros passos, contornando os obstáculos e seguindo em linha reta para onde queria chegar.

Se um menino que compõe com um instrumento mais profundo do que o violão (o próprio coração!) se torna um compositor de sucesso nacional, que dirá de nós!

Sim, fomos feitos para fazer história!

Os brutos e os mais ríspidos ficaram perplexos e mudos, em sua ignorância e afronta, diante do triunfo do jovem sonhador que fazia músicas de um modo todo particular.

Assim será conosco também!

Porque não importa se sabemos tocar ou não! Importa é a dimensão que damos aos nossos sonhos!

Nunca deixe de sonhar!

Não importa se você toca ou não, importa a dimensão que você dá ao seu sonho!

 

 

por Jacqueline Collodo Gomes.

Fonte: Portal Viva Vida Com Jesus

 

 

http://www.facebook.com/pages/Orion_Neto/136234776441451

Anúncios